MANUEL

GUERRA

EM DUAS PALAVRAS

Dito em apenas duas palavras, sou eu, quero dizer, sou o que escrevo e escrevo o que vivo no meu dia-a-dia, na esperança de fazer sentido.

 

Quem me dera soar e fazer sentido como me fazem os  meus heróis. Vou-me encontrando em tentativas de lhes seguir a sombra, mas sou quem sou e isso basta-me.

O mais difícil foi mesmo assumi-lo e ganhar coragem para sair do conforto desconfortável de não me dar a conhecer. 

Sou autor, cantor e guitarrista natural de Caldas da Rainha e há muitos anos adoptado pela cidade de Évora, onde me sinto em casa e onde escrevo desde que me lembro.

 

Estudei música e guitarra no conservatório. À excepção de uma participação na edição de 2001 do Festival da Canção RTP, altura em que ainda não mostrava em público o que escrevia, foi em 2011 que me apresentei pela primeira vez para uma grande audiência com a minha própria música, uma estreia arrojada para mim, num palco de grandes dimensões, em plena Baía de Cascais, a fazer a primeira parte dos Amor Electro nas Festas do Mar.

 

Escrevo e canto exclusivamente em português e descrevo a minha música como pop/rock, com influências desde o blues ao rock.

 

Em 2014 lancei em edição de autor o meu primeiro trabalho discográfico, um EP com seis temas com produção de Alexandre Manaia e com a colaboração de alguns músicos que me têm acompanhado ao vivo.

 

Tenho tocado em diversos palcos, principalmente na região de Évora, onde tenho experimentado mostrar a minha música. Alguns dos momentos mais marcantes passaram pela varanda da BalconyTV Lisboa em Julho de 2012, concerto solidário da CERCI na Arena de Évora em Maio de 2012, Praça do Giraldo em Évora em Agosto de 2014, nomeação para o prémio "Mais Música", da revista Mais Alentejo em Outubro de 2014, Centro Cultural do Redondo em Novembro de 2014, gala AjuDar'15 na Arena de Évora em Novembro de 2015, entre outros.

 

O tema que dá nome ao meu EP, "Dá-lhe Asas" faz parte da banda sonora da série "Massa Fresca" da TVI.

 

Tenho percorrido diversos bares que me deram a conhecer outros músicos e novos prismas da boa música que se faz em Portugal.

 

Acredito na música.